quarta-feira, 14 de março de 2007

Um começo

Só pra ter. Pra ninguém dizer que eu não comecei do começo.
Não que eu precisasse começar do começo. Até porque com essa onde de narrativa não linear, poderia começar do final e colocar cinco começos que se misturam que ninguém ia entender, mas todo mundo ia adorar. Mais ou menos como algumas obras que ninguém entende até ler um release ou uma crítica. Aí, passa a achar brilhantemente ousada e inovadora!

Vamos a algumas questões existenciais. (Calma, não é psicologia. Ainda.)

MINHA PESSOA
Um indecisa-confusa-esquecida-prepotente-atrapalhada-desleixada-carente-perdida-revoltada-acomodada-falante. Mais uma.

MINHA PROPOSTA
Meu compromisso inicial com este espaço é me conter. Eu era uma daquelas crinaças pentelhas que pediam 'folhas extras' pra Tia Filomena pra fazer a redação de quinze linhas da segunda série. Aqui não. Nada grande, que fica chato. Se por acaso, eu escrever algo maravilhoso e original, mas que seja muito grande, vai ficar de fora deste espaço como todas as outras porcarias grandes. Sem consessões. Por ora, a proposta é essa. Mas, sinceramente, espero que apareçam outras. Senão, vai ficar chato e vou ter que parar.