quarta-feira, 14 de março de 2007

Joãozinho irmão do Waltinho

Hoje, o João Moreira Salles fez uma aula magna disfarçada de bate-papo (que coisa mais cool!). Várias coisas interessantes, para além do fato de todo mundo ficar puxando o saco da Revista Piauí (que podia chamar Acre, Sergipe... o azar destes estados é que têm poucas vogais). Mas não tô com saco de escrever tudo o que concluí. Nem você de ler. Então, seguem algumas pérolas, (descontextualizadas, que ficam melhores). Ele é mestre em pérolas.

"Não sou cinéfilo. Posso dizer até que cinema não é uma coisa importante pra mim"
(Dá uma credibilidade pros documentários, não?)

"Eu gosto de palavras com muitas vogais"
(Ahá! pIAUI! 4!)

"A vogal é molinha"
(Ah...)

"Como ninguém apresentou solução melhor, ficou Piauí mesmo"
(É um processo complicado criar uma revista...)

"A gente [na Piauí] não tem missão nenhuma"
(Adoro gente honesta!)

"Há um orfanato. Se o orfanato tiver 10 órfãos, quebramos a cara, mas se tiver 50 milhões de órfãos, então deu certo"
(Se você não entendeu, os referidos órfãos seriam os órfãos das publicações com muitos textos e matérias menos imediatistas. Metáfora espetacular. Não?)

"Não há nada mais à direita do que a Lili Marinho"

"Desconfiamos de tudo. Desconfiamos do Maluf, do Lula..."
(Ué! Não dá quase na mesma?)

"A Piauí não se leva a sério"
(Ok. Essa não é engraçada, mas me fez gostar mais da revista.)

"A gente prefere publicar as cartas que metem o pau na gente do que as que nos elogiam"
(Masoquistas também podem escrever.)