sábado, 23 de maio de 2009

Sobre o trabalho II

Foi o Leonardo Boff quem escreveu...

Trabaho e cuidado

Desde a mais remota antiguidade, assistimos a um drama de graves conseqüências: a ruptura entre o trabalho e o cuidado. Nos últimos 10 mil anos, de forma lenta mas persistente, o trabalho começou a predominar sobre o cuidado - trabalho feito como frenética busca de eficácia, como afã nervoso de produção e ânsia incontida de dominação das forças da natureza.

Essa corrida se acelerou enormemente com a implantação, nos três últimos séculos, do processo industrialista que tomou conta de toda a terra. Estabeleceu uma verdadeira ditadura do trabalho-produção e do trabalho-intervenção em todos os processos da natureza.

O trabalho não é mais relacionado com a modelagem da natureza para morarmos mais e melhor. Virou um meio de ficarmos mais ricos sem definirmos o sentido e a destinação da riqueza, que virou um fim em si mesma, escravizando o ser humano à seguinte lógica: quem não tem quer ter, quem tem quer ter mais, quem tem mais diz que nunca é o suficiente.

Só o resgate do cuidado poderá nos salvar [Ok, essa parte é um pouco apocalíptica, mas lembre-se que ele era padre e isso influencia o texto e talz] O cuidado não se opõe ao trabalho, mas faz com que ele sirv à vida, à produção de felicidde e à instauração da convivência. O cuidado ajuda a encontrar a justa medida entre o esforço para garantirmos o viver bem de todos e o tempo para estarmos juntos e celebrarmos a gratuidade da vida e (...)